Em março, Nova Iorque assistiu à maior reunião anual das Nações Unidas sobre a igualdade de género e o empoderamento das mulheres, com a Comissão sobre o Estatuto das Mulheres (CSW) a reunir-se para a sua 68ª sessão. A Franciscans International aproveitou esta oportunidade para continuar o seu trabalho de defesa relacionado com a pobreza extrema, nomeadamente em resultado do risco desproporcionado de violações dos direitos humanos que as mulheres enfrentam às mãos das empresas transnacionais.

Este ano, também demos as boas-vindas a um grupo de nove mulheres franciscanas, activas num vasto número de questões de direitos humanos, que vão desde o trabalho social e a migração até ao mundo académico, para participarem na sessão, partilharem as suas ideias e inspirarem-se no seu trabalho.

 A 68.ª sessão centrou-se na necessidade de acelerar o empoderamento das mulheres e das raparigas, combatendo a pobreza e reforçando as instituições e o financiamento. Embora os Estados membros da ONU se tenham comprometido a alcançar a igualdade de género até 2030, existe um défice de despesa anual de 360 mil milhões de dólares para atingir este objetivo. Isto vai ao cerne de um problema fundamental: quando as mulheres são deixadas para trás, todos nós ficamos para trás.

“Estamos sempre a dizer às raparigas para “atirarem para a lua porque acabarão entre as estrelas”. Mas nós mal conseguimos chegar à lua”, diz Gabriella Martinez, da Franciscan Action Network, que fez parte da delegação da FI. “Na sessão, ouvi dizer que a paz tem 20% mais probabilidades de durar se as mulheres estiverem envolvidas nos diálogos. Isso pode não parecer uma grande diferença, mas quando temos todas essas disputas ao redor do mundo, é. E ouvi dizer que as mulheres estão a dizer: ‘Nós temos as soluções; só não temos os recursos'”.

“Amortecedores de choque”

Uma das principais áreas de preocupação da FI continua a ser o papel das empresas no fomento das violações dos direitos humanos e da degradação ambiental, que muitas vezes afecta desproporcionadamente as mulheres e as raparigas. Embora muitas empresas falem da igualdade de género, as mulheres enfrentam violações sistemáticas em todo o mundo, incluindo a exploração financeira e sexual.

À margem da sessão, a FI apoiou um evento organizado pelas Feministas por um Tratado Vinculativo, onde os oradores puderam partilhar casos da Argentina, Indonésia, Quénia e dos Territórios Palestinianos Ocupados. A discussão também explorou formas de reforçar as ligações entre a CSW em Nova Iorque e as negociações em curso na ONU em Genebra sobre um novo tratado que regularia as actividades das empresas transnacionais ao abrigo do direito internacional dos direitos humanos. 

“Se São Francisco vivesse hoje, ele estaria na Comissão sobre o Estatuto da Mulher.”

Irmã Maryann A. Mueller CSSF

Fazendo eco de alguns dos temas discutidos durante este evento e após duas semanas intensas, o documento final da sessão reconhece que as mulheres e as raparigas que vivem na pobreza se tornaram “amortecedores” em tempos de crise. Reconhecendo as deficiências da arquitetura financeira internacional, a Comissão recomendou também que os Estados Membros da ONU implementassem reformas que incluíssem uma tributação progressiva, a aplicação de normas laborais fundamentais e novas estratégias para economias sustentáveis.

Estas Conclusões Acordadas, juntamente com a linguagem proveniente de outros mecanismos de direitos humanos da ONU e os compromissos do Estado ao abrigo do direito internacional, continuarão a informar e a moldar o trabalho da FI para capacitar aqueles que trabalham na igualdade de género nas bases e na ONU.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Mais de 281 milhões de pessoas – quase 4% da população mundial – não vivem no país onde nasceram. O Dia Internacional dos Migrantes é uma ocasião para esclarecer os desafios enfrentados pelas pessoas que estão se deslocando. Embora o número de migrantes em todo o mundo continue crescendo – devido a fatores como pobreza, insegurança ou os efeitos da mudança climática – a implementação de uma abordagem de direitos humanos para a mobilidade humana ainda está atrasada.

As políticas e práticas hostis de imigração, como a militarização das fronteiras e a criminalização dos migrantes, aumentam sua vulnerabilidade às violações dos direitos humanos. Esse é notadamente o caso das Américas, onde essas práticas forçam as pessoas a usar rotas cada vez mais perigosas, sujeitando-as a extorsão, violência sexual e assassinatos por cartéis e contrabandistas.

Nesse contexto, os franciscanos estão na linha de frente da ajuda aos migrantes. Criada em 2018, a Rede Franciscana para Migrantes (FNM) tem como objetivo “formar um corredor para o apoio humanitário aos migrantes em todas as Américas”. Os membros da Rede trabalham diretamente no local, fornecendo serviços essenciais, como moradia temporária e alimentação, mas também buscam defender os direitos dos migrantes nas Nações Unidas por meio da Franciscans International.

O estabelecimento de abrigos próximos aos pontos de passagem de fronteira também desempenha um papel essencial na preservação da segurança e da dignidade das pessoas que estão se deslocando na Colômbia, na América Central, no México e nos Estados Unidos.

De fato, muitas pessoas estão em situações terríveis quando chegam a um abrigo. Algumas perderam tudo, podem ter testemunhado ou sofrido violência extrema ou, às vezes, foram separadas da família. Alejandra Conde, da Franciscan La 72, explica: “Estamos em um contexto no sul do México em que há muitos, muitos problemas de violações por parte das autoridades e também do crime organizado, crime comum, sequestros, agressões, roubos e violência sexual.”

“Somos defensores dos direitos dos migrantes.”


Localizado em Tenosique, o abrigo La 72 recebe migrantes e dá atenção especial às vítimas de crimes, fornecendo apoio psicológico e informando-as sobre seus direitos. “Também levamos em conta a interseccionalidade e damos atenção específica aos grupos mais vulneráveis, como menores desacompanhados, crianças, mulheres e membros da comunidade LGBTQ+”, diz Alejandra. Para isso, eles usam várias estratégias, como a criação de diferentes espaços onde as pessoas se sintam seguras: por exemplo, há algumas partes do abrigo onde somente mulheres são permitidas.

Além do apoio psicológico e do aconselhamento, a maioria dos abrigos oferece serviços médicos, preenchendo a lacuna da falta de acesso à saúde para os migrantes. Eles também fornecem itens essenciais de ajuda, como alimentos, kits de produtos de higiene pessoal e roupas.

Para a Irmã Isabel Turcios (FMI), diretora do abrigo para migrantes Frontera Digna, em Coahuila, a presença deles é essencial: “Dadas as situações de vulnerabilidade em que vivem os migrantes, o trabalho realizado nesse abrigo é de vital importância, pois podemos ouvir, acolher, proteger e prestar assessoria jurídica em situações que assim o exijam. Somos defensores dos direitos dos migrantes”. Em Frontera Digna, as Irmãs oferecem assistência e aconselhamento espiritual, mas também encaminham as pessoas a outras organizações locais, dependendo de suas necessidades.

“A questão de migrar sem informações é como se você estivesse andando pela rua com os olhos vendados porque não sabe para onde ir e o que fazer.”

Outro ponto em comum entre os abrigos da Rede é a importância dada ao acesso à informação: “A questão de migrar sem informações é como se você estivesse andando pela rua com os olhos vendados porque não sabe para onde ir e o que fazer”, diz Alejandra Conde. No entanto, muitas pessoas iniciam sua jornada sem saber sobre os processos de regularização e os mecanismos de proteção disponíveis. Quando chegam a um dos abrigos, elas são informadas sobre as opções que têm e podem fazer uma escolha informada sobre o que fazer em seguida.

Entretanto, embora esses locais sejam essenciais para garantir a dignidade humana das pessoas que estão se deslocando, eles enfrentam obstáculos constantemente. Em primeiro lugar, a própria natureza dos abrigos de migrantes os torna vulneráveis a assédio e ataques de agentes estatais e não estatais. No México, não apenas os migrantes, mas também as pessoas que os acompanham nos processos de regularização de vistos são regularmente ameaçados pelas autoridades. Além disso, com os fluxos migratórios que continuam aumentando, os abrigos estão frequentemente operando em sua capacidade total. Isso se soma a uma grave falta de financiamento, pois muitos abrigos dependem de doações: “Seria ótimo ter ajuda financeira para eventos imprevistos, bem como para medicamentos básicos e outros itens de ajuda”, diz a irmã Isabel.

Apesar das dificuldades, a Franciscan Network for Migrants (FNM) continua esperançosa e comprometida em proteger a dignidade das pessoas que estão se deslocando: “Pode ser frustrante ter que lidar com esses abusos contra os migrantes todos os dias”, diz Alejandra. “Mas, ao mesmo tempo, é muito gratificante ver as pessoas saindo com suas malas, com suas jaquetas, com um cartão e seu status regularizado, e ver esses rostos felizes quando saem.”

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

A Franciscans International orgulha-se de ser membro da diversificada coligação global que recebeu hoje o Prémio dos Direitos Humanos da ONU. Atribuído de cinco em cinco anos, o prestigiado prémio reconhece o papel vital desempenhado por esta coligação na defesa do reconhecimento pelos Estados membros da ONU do direito humano a um ambiente limpo, saudável e sustentável.

Este feito só foi possível graças a esforços incansáveis que começaram há mais de uma década e que resultaram na união de milhares de organizações e pessoas de todo o mundo para levar as Nações Unidas a reconhecer este direito – primeiro em 2021 pelo Conselho dos Direitos Humanos da ONU e depois em 2022 pela Assembleia Geral da ONU.

O prémio foi aceite em Nova Iorque, em nome da coligação, por seis representantes de África, Ásia, Europa, Pacífico, América do Norte e América Latina e Caraíbas. A natureza diversificada deste grupo não só representa o alcance da coligação, como também exemplifica a relevância global do direito a um ambiente saudável como parte integrante do gozo de todos os outros direitos humanos.

A Coligação Global da Sociedade Civil, dos Povos Indígenas, dos Movimentos Sociais e das Comunidades Locais para o Reconhecimento Universal do Direito Humano a um Ambiente Limpo, Saudável e Sustentável reúne mais de 1.350 organizações de 75 países.

No nosso próprio trabalho na FI, esta intersecção e as novas vias de defesa que se abrem com o reconhecimento deste direito são também evidentes. Na Ásia-Pacífico e nas Américas, por exemplo, as actividades empresariais descontroladas têm afetado gravemente as vidas dos povos indígenas e de outras comunidades que tradicionalmente dependem do seu ambiente natural para a sua subsistência.

Também nas Américas, bem como em África, a degradação ambiental está a exacerbar os fluxos migratórios e as deslocações internas. Tanto na base como em processos globais como as Conferências das Nações Unidas sobre o Clima, o direito a um ambiente saudável pode ser a base para políticas inclusivas e baseadas em direitos que procurem combater a tripla crise planetária e os seus impactos.

“A atribuição do Prémio dos Direitos Humanos sublinha a universalidade do direito a um ambiente saudável. Todos nós precisamos de ar puro, alimentos adequados e sustentáveis, água e saneamento, e outros elementos do direito de sobreviver e prosperar”, disse Budi Tjahjono, Diretor Internacional de Advocacia da FI. “Já 161 Estados consagraram este direito na sua legislação nacional. Embora isto seja encorajador, é apenas o começo: devemos e continuaremos o nosso trabalho para implementar plenamente este direito humano para todos.”

A FI continuou a defender a inclusão do direito noutros espaços e documentos finais, para garantir a coerência em toda a ONU.  A FI também está atualmente a realizar consultas e pesquisas para uma nova publicação que esperamos lançar no início de 2024. Ao analisar casos concretos, este documento terá como objetivo preencher as lacunas existentes na compreensão em torno do direito recentemente reconhecido e oferecer ferramentas a activistas de base e líderes comunitários que procuram proteger e realizar o direito a um ambiente saudável.

Ao celebrarmos o Prémio dos Direitos Humanos, continuamos empenhados em trabalhar com todos os nossos parceiros e em prosseguir o longo caminho para a implementação e o usufruto do direito a um ambiente saudável para todos.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Há 75 anos, quando o mundo emergia dos horrores da Segunda Guerra Mundial, a Assembleia Geral da ONU proclamou a Declaração dos Direitos Humanos. Atualmente, continua a ser um documento único que coloca a dignidade inerente a todas as pessoas como o fundamento da liberdade, da justiça e da paz.

Desde o início, a Declaração Universal ressoou profundamente nos franciscanos. Olhando para o exemplo de Francisco de Assis – cuja própria fé foi moldada pela sua experiência como soldado – é fácil ver como este documento se encaixa na sua própria crença intransigente na dignidade humana.

No entanto, ao assinalarmos este aniversário, é também dolorosamente claro que a realização destes valores continua a ser uma realidade distante para muitos, seja devido a conflitos, à pobreza extrema ou às crises ambientais que enfrentamos. Juntamente com os seus aliados, os franciscanos continuam empenhados em pôr em prática as palavras da Declaração Universal, através de acções directas nas bases e nas Nações Unidas.

Como parte das celebrações em torno do 75º aniversário da Declaração Universal, o Alto Comissariado para os Direitos Humanos organizou um evento de alto nível de dois dias em Genebra. Durante este encontro, os Estados Membros da ONU e as organizações da sociedade civil foram convidados a participar numa “árvore de promessas” para oferecerem os seus compromissos concretos em matéria de direitos humanos.

Markus Heinze OFM, Diretor Executivo da FI, aproveitou a ocasião para fazer a seguinte declaração:


“A Franciscans International agradece a oportunidade de expressar o nosso compromisso por ocasião do 75º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Durante quase 35 anos, a Franciscans International construiu pontes entre os franciscanos que trabalham a nível das bases e as Nações Unidas.

Com o apoio da nossa equipa de peritos em direitos humanos em Genebra e Nova Iorque, as preocupações dos Franciscanos e das comunidades que representam são levadas à atenção da comunidade internacional.

Juntando estes dois mundos, a Franciscans International defende a dignidade humana e a justiça ambiental, utilizando uma abordagem baseada nos direitos.

Hoje, celebramos a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Amanhã, continuaremos os nossos esforços para ajudar a concretizar as promessas que ela encerra para todos nós.

Por isso,

Comprometemo-nos a trabalhar para uma comunidade global em que,

  • A dignidade de cada pessoa seja respeitada,
  • os recursos sejam partilhados de forma equitativa,
  • o ambiente seja protegido,
  • e as nações e os povos vivam em paz.

Obrigado.”

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Entre certos grupos étnicos do norte de Benin, as características de uma criança no nascimento e nos meses seguintes são cruciais para sua sobrevivência. Desde sua posição durante o nascimento até a forma como ela se mima, ela pode ser acusada de ser uma criança “bruxa”. De acordo com as crenças tradicionais, ela se torna uma maldição para sua família e para toda a comunidade, e deve ser eliminada.

Conversamos com o irmão Auguste Agounpké, que está envolvido na luta contra o infanticídio ritual há mais de 20 anos. Embora tenha havido muito progresso desde então, inclusive a criminalização da prática pelo Benin em 2015, ela ainda não desapareceu completamente. Embora o abandono seja agora mais frequentemente escolhido como alternativa à morte, as crianças acusadas de bruxaria ainda sofrem estigmatização e exclusão. Pudemos conversar sobre as atividades de conscientização no campo das quais o Irmão Auguste participou, bem como sobre seu envolvimento na defesa internacional.


Você poderia se apresentar e apresentar seu trabalho sobre infanticídio ritual no Benin?

Meu nome é Auguste, sou um frade capuchinho e trabalho para a Franciscans-Benin. A primeira vez que ouvi falar das chamadas crianças bruxas foi quando fui enviado em uma missão ao norte do país em 2003. Foi estranho para mim, porque é algo que não existe no sul. Um dia, um catequista da paróquia veio avisar o pároco que uma criança de oito meses seria executada porque seu primeiro dente havia aparecido no maxilar superior. Imediatamente entramos no carro e fomos até o vilarejo. Os pais estavam lá, mas não tinham o direito de falar: cabia ao avô decidir o destino da criança. Ele concordou em nos deixar levar seu neto conosco, mas confirmou que o mataria se o visse novamente. Em seguida, tivemos um segundo caso, uma garotinha que também tinha começado a ter a dentição na mandíbula superior. Sua mãe, que percebeu imediatamente, foi morar com os pais dela por um tempo para que ninguém mais percebesse. Porém, anos depois, ela finalmente admitiu o fato ao marido. A filha deles já tinha 9 anos, mas o pai ainda queria matá-la, então tivemos que ir procurá-la. Já salvamos cerca de dez crianças dessa forma.

Quais são os diferentes motivos pelos quais uma criança pode ser descrita como “feiticeira”?

Além da dentição, que deve começar com a mandíbula inferior, a posição da criança durante o parto também é muito importante. O recém-nascido deve cair de costas, olhando para o céu: se ele sair pelos pés, pelo ombro ou pela culatra, terá de ser sacrificado. Como a maioria das mulheres dá à luz em casa, uma parteira da aldeia geralmente é a responsável. Mas algumas delas se aproveitam do fato de serem as únicas com permissão para entrar no quarto – e, portanto, capazes de testemunhar a posição da criança no nascimento – para acertar as contas. Às vezes, eles mentem para prejudicar a mulher que está dando à luz, caso tenham tido uma disputa com ela, por exemplo. Por fim, o número 8 é um mau presságio na tradição do grupo étnico Bariba. Se uma mulher der à luz prematuramente aos oito meses, isso não será aceito. Da mesma forma, uma criança não deve fazer seus primeiros dentes aos oito meses.

O que acontece com as mulheres que trazem essas crianças ao mundo?

Desde que concordem em eliminar o filho, não há problema algum para elas. Entretanto, se decidirem mantê-lo apesar de tudo, elas também estarão em perigo. Eu vivenciei isso em primeira mão quando estava no norte do país. A sobrinha do bispo com quem eu estava morando deu à luz uma criança em uma situação “ruim”. Com toda a conscientização que fizemos na região, ela queria proteger o filho e, como o marido não era da mesma cultura, ele não tinha motivo para sacrificar o bebê. Entretanto, a família da mãe dava grande importância às crenças tradicionais. Ela e o marido tiveram de fugir da aldeia para proteger o filho. Se ela tivesse ficado, sua vida também estaria em risco.

Quais foram as principais etapas de sua luta contra o infanticídio ritual?

Em 2007, fomos convidados pela Franciscans International para participar de um curso de treinamento sobre o uso dos mecanismos de proteção dos direitos humanos da ONU. Eu estava com uma irmã franciscana que eu não conhecia na época, Ir. Madeleine Koty, que já havia salvado cinco crianças do assassinato ritual. Eu havia salvado três. Assim, decidimos que era importante chamar a atenção da comunidade internacional para essa questão e apresentamos um relatório à ONU alguns meses depois. Dois países reagiram imediatamente e fizeram recomendações para proibir a prática. Ao retornarmos, continuamos nosso trabalho de conscientização nas comunidades locais onde o fenômeno é frequente e, em 2012, com o apoio da FI, foi criada a ONG Franciscains-Bénins. Combinando a defesa internacional com a conscientização em nível local, posso dizer que, após anos de trabalho, as coisas mudaram muito, e essas crianças não estão mais sendo mortas de forma tão sistemática. No entanto, o medo permanece, e as crianças “não nascidas” continuam a ser abandonadas. Às vezes, conseguimos conscientizar uma família para que ela fique com a criança, mas isso continua sendo uma exceção.

Você pode nos dar um exemplo de uma campanha de conscientização que tenha conseguido realizar?

No norte de Benin, organizamos um curso de treinamento de uma semana para cinco parteiras. Algumas dessas parteiras ainda têm a tradição de contar às suas famílias a posição exata da criança ao nascer. Assim, trabalhamos com elas para incentivá-las a manter o segredo entre a parteira e a mãe. Esse projeto começou no ano passado e deve ser executado até 2025. Também continuaremos com nossas campanhas de conscientização nas escolas, com professores e com vários setores da população. Acho que essas campanhas em diferentes níveis são essenciais se quisermos ter sucesso na mudança de atitudes.

Quais são as próximas etapas de seu trabalho para proteger as chamadas “crianças bruxas”?

Atualmente, estamos construindo um centro temporário para acolher crianças que foram rejeitadas por suas famílias e mantê-las seguras. A ideia é que elas possam ficar lá enquanto encontramos uma família adotiva para elas, o que às vezes pode levar meses. Tentamos escolher famílias que sejam sensíveis a essa questão e que estejam próximas às crianças do ponto de vista cultural e religioso. Por fim, fornecemos uma contribuição mensal para suas despesas gerais. Esse projeto está em andamento no momento e está programado para os próximos três anos.

Mais informações sobre o trabalho da Franciscans-Benin e da Franciscans International sobre a questão do infanticídio ritual.

Veja nosso artigo principal sobre os franciscanos em Franciscanos na vanguarda dos direitos humanos.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Nos anos 2000, a descoberta de grandes reservas de gás e minerais na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, prometia trazer crescimento econômico e desenvolvimento humano para a população. No entanto, embora tenha levado a investimentos maciços de empresas europeias, as comunidades locais quase não se beneficiaram disso. Pelo contrário, a exploração de recursos destacou as desigualdades e participou do aumento da violência. A situação em Cabo Delgado se agravou ainda mais em outubro de 2017, quando um grupo extremista conhecido localmente como Al Shabab* se envolveu em uma insurgência brutal, atacando indiscriminadamente os cidadãos. Desde o início, milhares de pessoas foram mortas e mais de um milhão foram deslocadas.

Em meio a essa crise complexa e multifacetada, as Missionárias Franciscanas de Maria (FMM), das quais a Irmã Thérèse faz parte, estão ajudando as pessoas deslocadas nos campos, fornecendo apoio psicológico e organizando treinamento prático, especialmente para mulheres jovens. Conversamos sobre seu trabalho diário com as pessoas afetadas, algumas das causas fundamentais da crise e como ela vê a defesa internacional.


Você pode explicar o que envolve seu trabalho?

No norte de Moçambique, a chegada de pessoas deslocadas internamente foi repentina e maciça. Todos os dias, entre 300 e 500 pessoas apareciam, algumas com suas bagagens, outras de mãos vazias. Quando isso aconteceu, tivemos que tomar uma decisão rápida. Como eu já tinha experiência de trabalho com refugiados de Ruanda e do Burundi, não hesitei em me envolver e me colocar a serviço deles. Graças à colaboração das autoridades locais, conseguimos encontrar diferentes locais para receber as pessoas e, atualmente, temos onze acampamentos em nosso distrito. A primeira coisa que minhas irmãs e eu fazemos é recebê-las em um de nossos lotes e fornecer a elas a ajuda emergencial enviada por nossa congregação, que inclui alimentos para os primeiros dias e um tapete para dormir. Nosso trabalho também tem uma dimensão psicológica: todas as manhãs, nossa prioridade é estar perto deles e ouvi-los. Apenas nossa presença é essencial. Por fim, nós os treinamos para serem autossuficientes, para que não se tornem dependentes.

Antes de chegar a esses campos, qual era a experiência dessas pessoas deslocadas?

Muitas pessoas foram deslocadas pelos ataques terroristas, que começaram de forma inesperada. Os moradores assistiram, impotentes, a grupos armados queimarem suas casas e decapitarem seus vizinhos e parentes. Quando você vê isso, não tem outra opção a não ser fugir. Muitos deles foram deslocados por essa violência, mas esse não foi o único fator. De fato, o solo da província de Cabo Delgado é rico em minerais, o que o torna um local especialmente atraente para o setor de mineração. Em vez de dialogar com as populações indígenas e os chefes tradicionais, as empresas transnacionais os expulsaram de suas terras, muitas vezes com a falsa promessa de dar-lhes novos lotes em troca, o que lhes permitiria continuar suas atividades agrícolas.

Como é a situação nos acampamentos?

Graças à ajuda de organizações não governamentais e eclesiásticas, a situação melhorou. Algumas delas estão cuidando da água cavando poços, as instalações sanitárias estão em melhores condições e, de modo geral, a colaboração com outras entidades significa que as necessidades locais são mais bem atendidas. A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), por exemplo, foi uma das primeiras a chegar ao local para fornecer ajuda essencial. No entanto, a assistência humanitária nem sempre é constante: devido à falta de fundos, a ajuda fornecida pelo Programa Mundial de Alimentos (WFP) da ONU está prestes a terminar, portanto, estamos no processo de receber os últimos estoques de alimentos. Isso é problemático, pois a chuva é escassa e a colheita leva três meses. O mais difícil em nosso trabalho são os meios. Se não tivermos os meios materiais, tudo estará acabado.

O que a inspirou a iniciar esse trabalho e como ele se relaciona com sua vocação de irmã franciscana?

Desde o início de minha vocação, eu me vi como uma missionária, o que significa que aceito qualquer tipo de trabalho, mesmo que seja difícil e arriscado. Nossa fundadora costumava dizer: “Minha consagração é o amor”, portanto, devo amar a todos sem distinção. Minha prioridade é ajudar os que estão sofrendo, mas também faço o papel de mediador. Como a terra é propriedade do Estado em Moçambique, alguns campos foram redistribuídos para pessoas recém-chegadas deslocadas, criando grandes tensões com os habitantes locais. Estes últimos começaram a exigir uma parte das colheitas como compensação pela terra que haviam perdido. Nesse tipo de situação, não tomo partido e tento manter a coesão. Por fim, acho que meu trabalho reflete o equilíbrio necessário entre oração e ação.

Qual foi sua impressão sobre sua primeira experiência nas Nações Unidas?

Gostei porque achei que apenas alguns países estariam representados e teriam a oportunidade de falar – não esperava que houvesse tanta diversidade nos debates. Além disso, as trocas de ideias que presenciei foram muito respeitosas. Agora tenho uma impressão completamente diferente da ONU e posso ver o quanto o trabalho de direitos humanos é realizado por tantas pessoas.

Qual é a sua principal mensagem para a comunidade internacional?

Meu principal pedido é que os direitos humanos e a liberdade de expressão sejam respeitados. No contexto das atividades de mineração em Moçambique, é necessário iniciar uma conversa com a sociedade civil e, para isso, a comunidade internacional tem um papel essencial a desempenhar. É importante pressionar os chefes de Estado para que dialoguem com seu povo e garantam sua participação nos processos decisórios que os afetam. Também é responsabilidade dos governos estabelecer limites para as empresas e manter uma reciprocidade que inclua as populações locais. Por fim, estou convencido de que todos nós poderíamos viver muito bem juntos nesta terra se respeitássemos os direitos humanos – direitos que estão incluídos nos Dez Mandamentos de Deus.

*Não há vínculos com o grupo somali de mesmo nome.

Para mais informações, consulte o nosso artigo principal sobre os franciscanos em Franciscanos na vanguarda dos direitos humanos.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

View More on YouTube Subscribe

Muitos dos amigos, parceiros e colegas da Franciscans International reuniram-se em Genebra e online no dia 8 de novembro para dar início a uma nova era para a organização e despedir-se de Markus Heinze OFM, cujo último mandato como Diretor Executivo está a chegar ao fim após mais de uma década. O evento foi também uma oportunidade para conhecer e dar as boas-vindas ao seu sucessor, Blair Matheson TSSF, que assumirá oficialmente o cargo a 1 de janeiro de 2024. 

Markus aproveitou a oportunidade para agradecer a todos os que estão empenhados no trabalho da FI pelo apoio que recebeu ao longo dos últimos anos. “Tudo o que alcançámos só foi possível graças a todos vós. É como uma orquestra: cada um toca o seu instrumento, mas é isso que cria os sons maravilhosos”, disse. “Mas, claro, não se trata das nossas conquistas – trata-se da nossa missão e visão de respeitar a dignidade e os direitos de cada pessoa. Por isso, agradeço-te”.

Refletindo sobre a mudança, o Presidente do Conselho Internacional de Diretores da FI, Irmão Michael Perry OFM, fez um breve discurso, explorando o significado de liderança num contexto franciscano e suas ligações com a defesa dos direitos humanos nas Nações Unidas. 

“Uma das coisas mais impressionantes sobre a liderança no mundo ‘franciscano’ – se é que esse mundo realmente existe – é o senso intuitivo de que a verdadeira autoridade é derivada da base, de estar entre os menos, compartilhar sua experiência e se envolver com eles, em vez de procurar ocupar um lugar no topo da sociedade.”

No final da reunião, os presentes ofereceram uma bênção a Blair enquanto ele se prepara para assumir o cargo. “Estava claro que o meu tempo na FI iria terminar e alguns podem ter ficado nervosos com o que viria a seguir”, disse Markus. “Prometi às pessoas que faríamos o nosso melhor para encontrar um bom Diretor Executivo, mas não sabia que ele seria tão bom.”

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Durante a última semana de outubro, os Estados-Membros da ONU reuniram-se em Genebra para continuar as negociações sobre um novo tratado que regularia as actividades das empresas transnacionais ao abrigo do direito internacional em matéria de direitos humanos. Este grupo de trabalho governamental aberto (IGWG) foi criado em 2014 pelo Conselho de Direitos Humanos, reconhecendo que as empresas estão entre os principais impulsionadores das violações dos direitos humanos em todo o mundo.

A Franciscans International participou ativamente em todas as nove sessões do IGWG até à data, fornecendo conhecimentos técnicos e oferecendo uma plataforma aos parceiros para que as suas experiências em primeira mão possam informar as negociações. No passado, recebemos Franciscanos e outros defensores dos direitos humanos para darem testemunhos sobre os impactos que as actividades empresariais têm nas suas comunidades, muitas vezes com consequências generalizadas e intergeracionais.

As negociações começam a sério

No início da 9ª sessão, vários Estados levantaram questões e preocupações sobre o processo através do qual o quarto projeto revisto – o texto proposto em negociação – foi desenvolvido. Estas incluíam a incorporação de algumas das propostas controversas de 2022 feitas pela presidência, bem como a falta de contribuições intersessionais da região africana.

Na sequência de um acordo sobre a publicação do quarto projeto revisto nos formatos “limpo” e “acompanhar alterações” durante a sessão, as negociações continuaram e abrangeram o preâmbulo e os artigos 1 a 3 durante a semana. A sessão registou uma ampla participação dos Estados, bem como de muitos Estados que não tinham participado anteriormente nas negociações.
Embora este seja um sinal encorajador, continua a existir um desacordo fundamental entre os Estados quanto ao âmbito do tratado e aos tipos de empresas que este deve abranger.

Com grandes interesses financeiros em jogo, tem havido repetidas tentativas por parte de alguns Estados e interesses corporativos para enfraquecer o texto. A FI fez e participou em declarações orais, incluindo como membro das coligações ESCR-Net e Feministas por um Tratado Vinculativo. Ao longo das negociações, as nossas intervenções centraram-se na necessidade de incluir uma linguagem robusta que estabeleça ferramentas accionáveis para ir ao encontro da realidade que muitas comunidades enfrentam na base.

Vozes das bases

Também co-patrocinámos dois eventos paralelos. O primeiro evento, “Uma discussão transregional para destacar as principais questões que o Tratado pode abordar numa perspetiva feminista”, contou com a participação de um membro do pessoal da FI e de uma irmã franciscana de Moçambique, que discutiram a relevância do futuro tratado em situações de conflito com base na sua experiência de apoio a pessoas deslocadas internamente. Um segundo evento, que analisou casos concretos de violações dos direitos humanos e de destruição do meio ambiente, examinou a forma como estes exemplos abordaram disposições específicas do tratado proposto, incluindo as disposições sobre prevenção, acesso à justiça e responsabilidade.

Para avançar, o relatório do Presidente-Relator ofereceu uma série de recomendações, incluindo a apresentação de uma decisão processual ao Conselho de Direitos Humanos solicitando recursos humanos e financeiros adicionais para apoiar o processo, a realização de consultas intersessionais em relação à metodologia e a convocação de “consultas temáticas inter-regionais e intersessionais” sobre o projeto de tratado.

A FI continuará a acompanhar de perto o processo e a contribuir ativamente, sempre que possível, para as reuniões intersessionais e outras oportunidades de consulta.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Mais de vinte anos após o fim do conflito armado interno, a Guatemala continua a sofrer as consequências de décadas de extrema violência e discriminação contra as comunidades indígenas. A impunidade galopante e a corrupção generalizada de alto nível persistem. O poder judicial desempenha um papel importante no silenciamento da dissidência, bloqueando as investigações sobre corrupção e violações dos direitos humanos e perseguindo arbitrariamente jornalistas e juízes independentes. O país tornou-se também um dos locais mais perigosos para os defensores dos direitos humanos, que são regularmente vigiados, criminalizados, perseguidos e, nalguns casos, simplesmente mortos. Em agosto de 2023, o candidato anticorrupção Bernardo Arevalo ganhou inesperadamente as eleições presidenciais, dando uma nova esperança à população. Mas, desde então, o Gabinete do Procurador-Geral tem procurado deslegitimar os resultados, o que, por sua vez, desencadeou protestos em toda a Guatemala. 

Neste contexto, encontrámo-nos com Brenda Peralta, que trabalha como coordenadora da Comissão de Justiça, Paz e Integridade (JPIC) da Família Franciscana da Guatemala, membro do comité de defesa da Rede Franciscana para os Migrantes (FNM), bem como coordenadora da Iniciativa Causas Raíz na Guatemala. Discutimos a situação no seu país e a forma como ela vê o seu trabalho em prol de mais justiça.


Quais são os principais problemas de direitos humanos na Guatemala?

Nos últimos anos, o “pacto dos corruptos” – um grupo de elites poderosas ligadas ao crime organizado – tem minado o Estado de direito, com ataques sistemáticos contra funcionários independentes da justiça e a criminalização de activistas, líderes indígenas e jornalistas. Depois de ter denunciado a corrupção aos mais altos níveis do governo, a Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (CICIG), apoiada pelas Nações Unidas, foi expulsa do país. As comunidades indígenas também estão a ser frequentemente expulsas dos seus territórios, o que provoca deslocações internas e outras violações dos direitos humanos. O problema destas terras é que foram roubadas durante o conflito armado interno, quando a população foi para o exílio, e famílias poderosas e militares transferiram fraudulentamente os títulos para o seu nome. Após os acordos de paz de 1996, as pessoas regressaram aos seus territórios, mas agora estes estão a ser reclamados pelos supostos proprietários com a ajuda do governo e de grupos paramilitares que querem utilizá-los para a produção de óleo de palma, a extração mineira e projectos hidroeléctricos.

O que o inspirou a trabalhar nestas questões e como é que isso se relaciona com a sua vocação de franciscano?

Conheci os Franciscanos na minha adolescência. Eles ajudaram-me a tomar mais consciência do que estava a acontecer no meu país na altura, que era durante os últimos anos do conflito armado interno. No entanto, só muitos anos mais tarde é que conheci a JPIC. O seu trabalho para o cuidado da nossa casa comum e para a construção de um mundo melhor para todos tornou-se um modo de vida para mim. Procuramos sensibilizar as comunidades franciscanas, tanto religiosas como seculares, para os problemas sociais e políticos e para a forma como nos afectam. Também tentamos mostrar a importância da solidariedade e como a participação política e cidadã contribui para criar soluções.

Quais são os principais desafios do vosso trabalho?

Penso que um dos principais desafios é a coordenação do nosso objetivo comum, que é mudar as estruturas injustas. Já muito foi feito a nível regional, com a América Central e o México, mas ainda temos um longo caminho a percorrer. Trabalhamos em muitas frentes em simultâneo para conseguirmos ver mudanças. Isto pode ser um desafio, mas faço-o com prazer porque é por convicção. Outro desafio é encorajar a advocacia por parte da família franciscana. De facto, alguns podem ter receio de se envolver em certas questões, porque há sempre um risco de segurança quando se trabalha como defensor dos direitos humanos.

De que realização mais se orgulha?

A resposta positiva e a confiança que muitos franciscanos receberam durante estes anos são verdadeiramente animadoras. Estabelecemos alianças com líderes, outras organizações religiosas e a sociedade civil. Um bom trabalho de equipa foi essencial para melhorar a forma como fazemos as coisas e para estarmos envolvidos a diferentes níveis, incluindo a nível internacional. Por exemplo, o trabalho com as Nações Unidas ajuda a tornar visíveis situações de violação dos direitos humanos que seriam mais difíceis de denunciar a nível local devido a questões de segurança. Também gera confiança nas pessoas e redes locais com as quais já trabalhamos e facilita espaços de ligação para criar novas redes.

Como é que vê a diferença entre o trabalho de caridade e o trabalho de direitos humanos?

Um dos princípios da JPIC é a caridade, que entendemos a três níveis. Primeiro, o assistencial, como alimentar os famintos, depois o promocional, que é a consciencialização e, finalmente, o estrutural. Embora algumas pessoas se dediquem principalmente à primeira parte – o que é ótimo – penso que é essencial ir mais além e trabalhar nas causas profundas da injustiça. Nesse sentido, a caridade e o trabalho no domínio dos direitos humanos complementam-se muito bem.

Para mais informações, consulte o nosso artigo principal sobre os franciscanos em Franciscanos na vanguarda dos direitos humanos.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Em setembro, a Rede Franciscana para os Migrantes (FNM) reuniu-se em San Salvador para o seu encontro anual. Representando as preocupações da rede nas Nações Unidas, a Franciscans International participou deste encontro, que reuniu facilitadores e representantes de abrigos franciscanos para migrantes em todas as Américas.

A semana centrou-se no desenvolvimento de capacidades, na partilha de experiências e na colaboração. Juntos, os participantes puderam analisar comparativamente a situação dos migrantes nos seus respectivos países e a falta de proteção para as pessoas que se deslocam. Embora os contextos políticos possam variar, os problemas que os migrantes enfrentam – como a violência, a insegurança, o crime organizado e a corrupção – são frequentemente os mesmos. Enquanto fazem um balanço dos seus esforços comuns para proteger os migrantes na América do Sul, Central e do Norte, os parceiros franciscanos também reflectiram sobre como o seu trabalho pode ser reforçado.

Resistir à invisibilidade dos migrantes

Devido ao seu estatuto de desvantagem, os migrantes são vulneráveis a uma multiplicidade de violações dos direitos humanos, incluindo o tráfico de seres humanos, os assassínios e os desaparecimentos forçados. De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), 2022 foi o ano mais mortífero para os migrantes nas Américas desde o início do seu Projeto de Migrantes Desaparecidos em 2014, com mais de 1.400 pessoas desaparecidas ou mortas. Quando isso acontece, muitos membros da família permanecem no escuro sobre o destino de seus entes queridos, pois ainda faltam investigações adequadas.

Durante a semana, os franciscanos reuniram-se com membros do Comité de Familiares de Migrantes Falecidos e Desaparecidos de El Salvador (COFAMIDE), uma iniciativa nascida em 2006 de familiares de migrantes desaparecidos. Omar Joaquin, Secretário-Geral da organização, recebeu ele próprio uma “última comunicação” do seu filho antes de este desaparecer. Desde então, tem ajudado centenas de famílias à procura de respostas sobre os seus familiares e defende mecanismos de proteção e busca mais fortes.

Documentar a situação: um verdadeiro desafio

Outro ponto central da reunião anual de 2023 foi a importância de documentar estas violações dos direitos humanos – uma oficina sob a responsabilidade da FI. Documentar e ligar experiências individuais pode ajudar a distinguir tendências e dinâmicas, identificar os actores envolvidos e, assim, criar casos mais sólidos para a defesa nacional e internacional. Também ajuda a construir e a manter uma memória colectiva do que está a acontecer às pessoas que se deslocam.

Com a ajuda de Margarita Nunez do Programa de Assuntos Migratórios (PRAMI), identificaram diferentes componentes da documentação sobre direitos humanos e como cada uma delas é essencial para a ação humanitária, judicial ou política. De facto, uma vez que existe frequentemente um fosso entre as leis, os discursos e as práticas, dispor de informações precisas e sistemáticas é vital quando se defende a mudança.

A documentação também inclui incidentes de segurança contra pessoas que trabalham para apoiar e proteger os migrantes. Num contexto de crescente criminalização e ameaças contra os defensores dos direitos humanos (DDH), Joaquin Raymundo, da Protection International, lembrou aos participantes que a Assembleia Geral da ONU obrigou os Estados a proteger os DDH. Isso levou a uma extensa discussão das experiências em primeira mão dos participantes sobre incidentes de segurança e como melhorar as capacidades e estratégias de proteção para mitigar esses riscos.

Finalmente, a semana em conjunto provou a importância das alianças. O Secretário Executivo da FNM, Vianey Martinez, afirmou: “Num espírito fraterno, criámos um ambiente seguro e sinodal para elaborar com a FI um plano de trabalho trienal e discutir os nossos próximos passos”. No final, esta colaboração permite que os franciscanos usem as suas competências complementares, partilhem boas práticas e se apoiem mutuamente no seu objetivo comum de proteger e salvaguardar a dignidade humana das pessoas que se deslocam.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.