O Sri Lanka tem sido marcado por tensões e confrontos étnicos de longa data. Embora a guerra civil tenha terminado em 2009, a falta de coesão social e um processo de reconciliação falhado continuam a alimentar a violência. Durante as celebrações da Páscoa de abril de 2019, uma série de atentados suicidas em três igrejas e três hotéis matou mais de 250 pessoas, o que reacendeu velhas queixas. A situação dos direitos humanos deteriorou-se ainda mais devido a uma crise económica que desencadeou os protestos em massa de Aragalaya, que levaram à expulsão do então presidente Gothabaya Rajapaksa em 2022.  

Neste contexto, o Padre Patrick Perera está a trabalhar para que haja mais justiça e responsabilização pelas violações dos direitos humanos que abalaram o seu país. Falámos com ele sobre a falta de justiça transicional, sobre o impacto dos atentados da Páscoa e sobre o seu apelo à união da população.  


Pode apresentar-se e explicar quais são os principais problemas de direitos humanos no seu país?  

Chamo-me Patrick Sujeewa Perera e sou um sacerdote que trabalha para o Gabinete de Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) no Sri Lanka. Nos últimos anos, o meu país tem enfrentado uma grave crise de direitos humanos, pelo que tenho estado envolvido em actividades de defesa dos direitos das pessoas. O primeiro problema que vejo resulta das três décadas de guerra civil no Sri Lanka, entre 1983 e 2009. Dada a história brutal do país, continuam a existir fortes tensões entre as comunidades cingalesa e tâmil. Ao mesmo tempo, a má gestão da economia por parte do governo e a corrupção levaram a uma grave escassez de combustível e de outros bens necessários, o que provocou os protestos de Aragalaya, nos quais participámos. A terceira questão é a frequência crescente de fenómenos meteorológicos extremos, como secas e inundações, devido às alterações climáticas, que são exacerbadas devido a projectos insustentáveis em nome do desenvolvimento.  Por último, há muita violência contra os activistas dos direitos humanos.  

O que o inspirou a começar este trabalho e como é que ele se relaciona com a sua vocação de irmão franciscano? 

Comecei como voluntário, mas nessa altura não tinha a certeza do que estava a fazer. Foi quando testemunhei pessoalmente os ataques do Domingo de Páscoa e vi os restos mortais das pessoas dentro da igreja que senti uma profunda mudança dentro de mim. Apercebi-me de que, se algumas pessoas podem fazer coisas tão terríveis contra a humanidade, é meu dever pessoal contrariar essa situação. Embora não espere viver num mundo onde não haja injustiça, como franciscano, farei o que puder contra ela. Mesmo agora, quando estou a falar nas Nações Unidas, lembro-me desse incidente. Não só rezo pelas vítimas, como levanto as suas vozes: Penso que é este o sentido da minha vocação.  

O que defendem e porquê? 

Defendemos uma maior transparência e responsabilização do governo, que tem nas suas mãos a vida das pessoas comuns. Isto é especialmente importante se quisermos eliminar a corrupção no sistema político. Como pessoas religiosas e activistas dos direitos humanos, é nosso dever mantê-los no caminho certo. Eles precisam de saber que alguém está a observar. Penso também que é importante recordar às pessoas que têm o poder de mudar as coisas. Os protestos de Aragalaya contribuíram para isso, porque as pessoas perceberam que têm o poder de protestar e que têm o poder de responsabilizar o governo se estiverem unidas.  

No teu trabalho, alguma vez te sentiste em risco, especialmente quando as autoridades têm como alvo os defensores dos direitos humanos?  

Com o trabalho que faço em relação aos ataques bombistas da Páscoa, fui lembrada muitas vezes para ter cuidado com as minhas actividades, uma vez que estamos a exigir responsabilidade e justiça ao governo. Também participei nos protestos de Aragalaya, onde enfrentei ataques com gás lacrimogéneo ou água, mas isso é bastante comum. Até agora, não recebi ameaças pessoais, mas continuo a tomar precauções para evitar ser visado.  

Qual é o seu maior orgulho?  

O que mais me orgulha não é algo individual, mas algo que alcançámos enquanto grupo. Depois dos ataques do Domingo de Páscoa, outros líderes religiosos da diocese de Colombo, como o Arcebispo Cardeal Malcolm Ranjith, pediram uma investigação imparcial do ataque, mas tal não aconteceu. Depois do fracasso, o Cardeal quis levar a situação a nível internacional, mas não dispunha de instrumentos ou mecanismos reais. Nessa altura, ele e a Igreja Católica do Sri Lanka sentiram-se sem esperança, tal como todas as vítimas. Foi graças à ajuda da Franciscans International que o nosso trabalho de base foi finalmente levado ao nível internacional. Como franciscanos, temos uma boa reputação e somos respeitados – este é um ótimo exemplo de como a unidade de grupo pode ser eficaz.  

Como é que vê a evolução do papel dos Franciscanos no Sri Lanka?   

Sempre fizemos trabalho de caridade, mas depois dos atentados da Páscoa, começámos a mobilizar pessoas, incluindo outros grupos franciscanos. Desde então, não nos limitámos a fazer advocacia sozinhos, mas colaborámos com toda a família franciscana, como as Missionárias Franciscanas de Maria ou os Frades Capuchinhos. Também temos grupos da sociedade civil a colaborar connosco, especialmente depois dos protestos de Aragayala. Para além disso, estamos agora presentes a nível internacional, por isso, se alguns grupos não têm necessariamente acesso às Nações Unidas, podemos ajudá-los levando as suas preocupações de defesa a esse nível. Por último, o próximo passo que vejo é discutir a forma como vamos continuar a trabalhar em conjunto como uma família e definir estratégias para a defesa dos direitos humanos. 

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Franciscans International tem o prazer de anunciar o lançamento de um novo programa regional que abrange a Europa. Acreditamos que a expansão do nosso âmbito geográfico para complementar a nossa defesa global e o trabalho já realizado em África, nas Américas e na Ásia-Pacífico acrescentará uma dimensão valiosa aos nossos esforços nas Nações Unidas para defender os direitos humanos e a dignidade, promover a paz e exigir justiça ambiental.  

Os programas regionais da FI são orientados pelas necessidades os nossos parceiros franciscanos e outros, que trabalham em questões de direitos humanos a nível local e nacional. Se eles determinarem que o seu trabalho pode beneficiar com a apresentação de preocupações na ONU, a FI pode fornecer os conhecimentos técnicos para desenvolver e implementar uma estratégia de defesa sustentada. Nos últimos anos, os franciscanos de toda a Europa expressaram constantemente o desejo de o fazer.  
 
“Infelizmente, as violações dos direitos humanos acontecem em todo o mundo e a Europa não é exceção”, diz Markus Heinze OFM, Diretor Executivo da FI. “Assistimos diariamente a violações cometidas contra migrantes e refugiados. Os interesses empresariais europeus desempenham um papel fundamental nas crises climáticas e nos conflitos violentos que afligem novamente o continente. Especialmente nestes tempos difíceis, estou grato que os franciscanos tenham mobilizado os recursos que lhes permitirão levar à atenção da ONU as violações que testemunham e documentam na Europa”. 
 
O cargo de Coordenador do Programa Europa será ocupado por Eunan McMullan OFM. Como advogado, ex-Diretor dos Serviços Jurídicos do Gabinete do Provedor de Justiça da Polícia da Irlanda do Norte e Frade Menor, ele traz uma experiência única para o cargo. O Irmão Eunan utilizará esta experiência para promover novas ligações entre os franciscanos europeus e a ONU e para moldar eficazmente as actividades de defesa necessárias. Depois de um levantamento inicial dos principais parceiros e questões em vários países europeus, trabalhará como parte da equipa de advocacia do FI em Genebra para levantar estas preocupações junto dos mecanismos de direitos humanos relevantes da ONU.  
 
“Neste ano de 2023, nós, franciscanos, celebramos a aprovação da Regra de São Francisco, que pretendemos seguir para trazer paz aos nossos corações. Da mesma forma, o Estado de direito é necessário para estabelecer a paz entre as pessoas e tem sido desrespeitado em muitos lugares”, diz o Irmão Eunan. “O objetivo deste programa é chamar a atenção para as injustiças que estão a ocorrer e promover os nossos direitos humanos e procurar reparação junto dos organismos competentes.” 

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

As crianças nascidas hoje vão crescer num mundo onde as velhas certezas já não se aplicam. O rápido início das múltiplas crises ambientais que começaram com as gerações passadas significa que elas enfrentarão desafios profundos que são únicos na nossa história. Para resolver estes problemas, é fundamental que as Nações Unidas reconheçam a importância das vozes dos jovens e considerem os interesses das gerações futuras – especialmente as que representam os povos indígenas.

Muitos jovens indígenas sentem esta incerteza de forma ainda mais aguda: nasceram numa situação em que a sua identidade, cultura, língua, terras e conhecimentos tradicionais foram ameaçados durante gerações e, nalguns casos, estão à beira da extinção. Por isso, é ainda mais adequado que o tema do Dia Internacional dos Povos Indígenas deste ano reconheça os jovens como agentes de mudança para a auto-determinação.

Já estamos a ver esta nova geração a deixar a sua marca. Na Guatemala, a Franciscans International apoia jovens activistas indígenas que assumiram um papel proeminente na preservação dos seus rios sagrados – e, com eles, os meios de subsistência das suas comunidades – da destruição por actividades comerciais. Em algumas comunidades das Ilhas Salomão, os jovens afastaram os mais velhos da tentação de lucrar com contratos de exploração madeireira, optando, em vez disso, por créditos de carbono para preservar a floresta e gerar rendimentos. Estes esforços merecem o nosso apoio. No entanto, não podemos olhar para o futuro sem aprender com o nosso passado.

Este ano assinala também o 500º aniversário da chegada ao México dos chamados “Doze Franciscanos”, um primeiro grupo de missionários solicitados por Hernán Cortés. Em parte, lançaram os alicerces para as irmãs e irmãos que agora trabalham para apoiar as pessoas à margem da sociedade – quer se trate das que vivem em condições de pobreza extrema, quer das que são deslocadas, quer ainda das comunidades indígenas. No entanto, temos também de reconhecer e abordar a realidade de que alguns franciscanos fizeram parte da opressão e da destruição infligidas a muitos povos indígenas.

As desculpas apresentadas pelo Papa Francisco em 2022 às Primeiras Nações do Canadá fazem parte de passos importantes neste processo. Outro importante ajuste de contas simbólico com o passado é o seu repúdio, no início deste ano, da “Doutrina dos Descobrimentos”, que durante séculos permitiu que os exploradores colonizassem e reclamassem terras em nome do seu soberano, se não fossem povoadas por cristãos, permitindo a exploração de recursos por entidades estrangeiras que, em alguns casos, continuam até hoje. Neste sentido, devemos seguir o apelo do Papa para nos aproximarmos dos Povos Indígenas “na ponta dos pés, respeitando a sua história, a sua cultura e o seu estilo de vida”, bem como refletir sobre a forma de remediar estas injustiças históricas que lhes foram infligidas. 

Nas Nações Unidas, fazer parte deste processo inclui reforçar a autonomia dos Povos Indígenas e amplificar as suas vozes, em vez de falar no seu lugar. Para este fim, a FI está a apoiar os defensores dos direitos humanos a envolverem-se em diferentes mecanismos da ONU, por exemplo, para melhor protegerem o seu direito ao consentimento livre, prévio e informado – um direito que permite aos Povos Indígenas dar ou recusar o consentimento a projectos empresariais que os possam afetar, às suas terras ou aos seus recursos. Recentemente, também concentrámos o nosso trabalho na implementação do direito recentemente reconhecido a um ambiente saudável, incluindo através da utilização do conhecimento tradicional detido pelos Povos Indígenas como guardiães de grande parte da biodiversidade restante do mundo.

Em termos mais gerais, isto significa abrir mais espaços na ONU para uma participação substancial e significativa dos jovens, indo para além de discussões ou nomeações simbólicas. Os problemas do futuro estão aqui: as gerações futuras devem desempenhar um papel na definição das soluções. Armados com as lições do passado, os jovens indígenas podem de facto ser os agentes de mudança de que precisamos – cabe-nos a nós estar ao serviço e ajudá-los a cumprir esse papel.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Hoje, a Coligação Global da Sociedade Civil, dos Povos Indígenas, dos Movimentos Sociais e das Comunidades Locais para o Reconhecimento Universal do Direito Humano a um Ambiente Limpo, Saudável e Sustentável é um dos destinatários do prestigiado Prémio dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 2023.

A Franciscans International orgulha-se de ser membro desta coligação, que recebe o prémio pelo seu papel na defesa do reconhecimento do direito a um ambiente saudável pela Assembleia Geral da ONU em 2022.

O Prémio dos Direitos Humanos da ONU é atribuído de cinco em cinco anos a um máximo de cinco destinatários. Este ano é a primeira vez que é atribuído a uma coligação. O prémio será entregue em Nova Iorque a 10 de dezembro, data que assinala também o 75.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Um esforço coletivo

Este feito só foi possível graças a esforços incansáveis que começaram há décadas e resultaram na união de esforços de milhares de pessoas de todo o mundo para alcançar um marco: o reconhecimento pelas Nações Unidas do direito humano a um ambiente limpo, saudável e sustentável. O prémio realça a importância da colaboração para promover a tão necessária proteção do nosso planeta e o cumprimento dos direitos humanos. Sozinha, nenhuma organização, movimento ou pessoa teria sido capaz de atingir este objetivo. Juntos, uma coligação global diversificada tornou-o uma realidade.

“A única forma de conseguir um ambiente saudável para todos é através de uma ação sustentada, implacável e colectiva. É um encorajamento para todos nós que as Nações Unidas tenham decidido atribuir este prémio a uma grande, diversificada e global coligação que se encontrou unificada neste objetivo crítico – preservar a nossa casa comum em tempo de crise. O reconhecimento do próprio direito – e com ele o reconhecimento de que a dignidade humana e o mundo que nos rodeia estão inextricavelmente ligados – ressoa profundamente na tradição franciscana.”

Markus Heinze OFM
Diretor Executivo da FI

A atribuição do prémio a uma coligação diversificada também realça a necessidade de proteger os espaços de participação para todos. À medida que o espaço cívico continua a diminuir em todo o mundo, os defensores dos direitos humanos ambientais têm estado entre os mais ameaçados. Este prémio é um forte lembrete de que é essencial respeitar aqueles que trabalham para colocar a proteção das pessoas e do planeta na vanguarda da elaboração de políticas e da governação global.

Um reconhecimento que apela à ação

Este anúncio chega apenas alguns dias antes do aniversário, a 28 de julho, do reconhecimento pela Assembleia Geral do direito humano a um ambiente limpo, saudável e sustentável. Desde então, milhões de pessoas continuaram a sofrer os impactos cumulativos e acelerados da tripla crise planetária da perda de biodiversidade, das alterações climáticas e da poluição, exacerbada por desigualdades sistémicas, que está a contribuir para violações contínuas do direito a um ambiente saudável em todo o mundo.

Este prémio sublinha que os Estados devem intensificar os seus esforços para tornar este direito uma realidade. É simultaneamente um reconhecimento e um apelo à ação para que os governos, as empresas, as instituições e as pessoas de todo o mundo assegurem que o direito a um ambiente limpo, saudável e sustentável seja efetivamente garantido e legalmente protegido para que possa ser usufruído por todos.

“Já vimos alguns Estados tomarem medidas para proteger melhor este direito após o seu reconhecimento. Embora estes sejam sinais encorajadores, deve haver mais ação, mais expansiva. Com os membros desta coligação e os nossos parceiros de base, continuaremos a trabalhar para monitorizar e defender a implementação deste direito.”

Marya Farah
Representante da FI na ONU em Nova Iorque

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

As Américas têm se tornado cada vez mais vulneráveis a eventos climáticos extremos. Longos períodos de seca, alternados com fortes chuvas e furacões, estão afetando milhões de pessoas. Esse é especialmente o caso do chamado “Corredor Seco”, onde a escassez de água e a insegurança alimentar provocaram grandes deslocamentos populacionais.  

Originalmente de El Salvador, Frei René Flores OFM trabalha no Panamá em questões relacionadas à mobilidade humana e defende os direitos das pessoas deslocadas em toda a região. Conversamos sobre o que inspira seu trabalho, bem como as raízes de seu compromisso com a justiça social.  

__________________________________________

Você pode se apresentar e explicar seu trabalho?  

Sou um irmão salvadorenho que foi nomeado pela Província Franciscana da América Central como chefe do escritório da JPIC (Justiça, Paz e Integridade da Criação) no Panamá. Também sou membro do Comitê de Advocacia da Rede Franciscana de Migrantes, para a qual trabalho na defesa dos direitos humanos e ambientais. Isso inclui o acompanhamento de migrantes que cruzam o Darién Gap, entre a Colômbia e o Panamá, ou o Paso Canoas, entre o Panamá e a Costa Rica. Para isso, colaboro com a Rede Clamor, cujo objetivo é fortalecer as organizações da Igreja na América Latina e no Caribe que acolhem, protegem, promovem e integram pessoas em situações de migração, deslocamento, refúgio e vítimas de tráfico.   

O que o inspirou a começar a trabalhar com essas questões e como isso se relaciona com sua vocação de frade franciscano?  

Cresci em El Salvador nas décadas de 1980 e 1990, no contexto da guerra civil. Naquela época, muitos sentiram o chamado para servir e mudar a realidade do país, mas isso teve um preço. Muitos padres, como o Monsenhor Óscar Romero ou Cosma Spessotto, foram assassinados por seu compromisso de ajudar os mais vulneráveis e clamar pela paz. Esse também foi o caso dos frades que foram mortos durante a guerra civil na Guatemala e a revolução sandinista na Nicarágua. Comecei minha jornada como frade franciscano nesse contexto conturbado, que tanto me desafiou quanto me inspirou a me envolver com a justiça social.  

Qual é o principal desafio hoje?                                    

Um grande desafio que vejo é o perigo da apatia que leva à indiferença das pessoas. É o risco de não querer se envolver ou organizar a transformação social porque o sistema já o esgotou e você acha que nada pode ser feito.   

Qual é a sua realização de maior orgulho e o que o inspira?   

A sensação de estar com pessoas que caminham na transformação social, que acreditam em Jesus Cristo e que, ao mesmo tempo, são inspiradas a trabalhar por uma sociedade mais justa e equitativa. É o caminhar com fé que mais me inspira a continuar e saber que o jeito franciscano se encaixa muito bem nessa jornada com as pessoas.  

Qual é o seu principal objetivo?  

Fortalecer os processos de organização e formação das pessoas com quem trabalho e para quem trabalho – não apenas os camponeses, mas também toda a Igreja. Minha meta é poder influenciar o povo panamenho para que ele se envolva, juntamente com outras organizações e outros agentes pastorais, em um processo de transformação para uma melhor defesa da vida e da criação.  

Como você vê a diferença entre o trabalho de caridade e o trabalho de direitos humanos, e como você acha que eles se complementam?  

Gosto da expressão do Papa Francisco que diz que a maior e mais elevada forma de caridade é a política. De fato, uma boa decisão política pode atingir e beneficiar muitas pessoas. Mas o termo “caridade” geralmente só pode permanecer como assistência e ajuda. Com relação à defesa dos direitos humanos, considero melhor falar sobre o cuidado com a dignidade e a integridade da vida. É buscar que todo ser humano e toda criatura viva possam existir nesta casa comum, o que é alcançado por meio do trabalho de direitos humanos. 

Para mais informações, consulte o nosso artigo principal sobre os franciscanos em Franciscanos na vanguarda dos direitos humanos

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.  

Como os efeitos da mudança climática têm sido cada vez mais sentidos nos últimos anos, já houve um aumento acentuado no número de pessoas deslocadas como consequência. Eventos climáticos extremos, como enchentes e furacões, estão se tornando mais frequentes. Ao mesmo tempo, também observamos perigos de início lento, como a desertificação e o aumento do nível do mar. Isso já levou à escassez de água, à perda da agricultura e dos meios de subsistência e à destruição das casas das pessoas, forçando-as a se mudarem internamente ou para fora das fronteiras de seus países.   

Durante seu recente Diálogo Interativo com o Conselho de Direitos Humanos da ONU, o Relator Especial sobre Mudanças Climáticas, Ian Fry, apresentou seu relatório sobre as implicações para os direitos humanos do deslocamento induzido pelo clima. Essa é a primeira questão abordada pelo novo mandato desde sua criação em maio de 2022, o que demonstra a urgência do assunto. Em seu relatório, o Sr. Fry destacou a falta de proteção legal para as pessoas deslocadas pelas mudanças climáticas através das fronteiras internacionais. Por exemplo, elas não são definidas como refugiadas de acordo com a Convenção da ONU sobre Refugiados de 1951. Embora muitas vezes sejam informalmente chamados de refugiados da mudança climática, na verdade não existe essa definição no direito internacional, o que agrava o risco de violações dos direitos humanos contra esse grupo.  

A Franciscans International e seus parceiros organizaram dois eventos paralelos sobre deslocamento climático e um sobre a regularização de migrantes, convidando palestrantes das Américas e da Ásia-Pacífico para compartilhar suas experiências e histórias com especialistas em direitos humanos e diplomatas da ONU. Eles chamaram a atenção para o impacto desproporcional dos eventos de mudança climática sobre grupos vulneráveis, como mulheres, crianças e povos indígenas. Pesquisas indicam que o deslocamento induzido pelo clima não é um fenômeno neutro em termos de gênero, sendo que as mulheres têm 14 vezes mais chances de serem mortas se forem deslocadas do que os homens. Elas também são mais vulneráveis à violência sexual, ao tráfico e à falta de acesso à saúde reprodutiva.   

O Irmão René Flores OFM, membro da Rede de Franciscanos para Migrantes no Panamá, explicou as várias maneiras pelas quais as pessoas são afetadas pelos eventos de mudança climática, especialmente no Corredor Seco* da América Central. Enquanto anos de seca levaram à escassez de água e à insegurança alimentar, os furacões também se tornaram mais graves. Em 2020, o Eta e o Iota causaram inundações e destruição em toda a América Central, afetando milhões de pessoas. Esses eventos, combinados com a pobreza extrema e a violência, levaram a uma migração transfronteiriça substancial.  

Embora a perda de recursos ligada à mobilidade humana seja importante, as perdas não econômicas também podem ser devastadoras. A Sra. Lemaima Vaai, uma jovem indígena da Igreja Metodista de Samoa, levantou a questão da dor emocional e espiritual da realocação. Para as comunidades do Pacífico, há um profundo apego à terra que, muitas vezes, traz “sentimentos de perda e desconexão” quando é preciso se mudar, bem como o risco de perda do conhecimento indígena.   

O Rev. James Bhagwan, Secretário Geral da Conferência de Igrejas do Pacífico, também alertou que “os líderes do Pacífico já identificaram a mudança climática como a ameaça mais importante para a segurança regional”. De fato, ela pode se tornar um fator de conflito por terra e recursos, especialmente com o aumento do nível do mar ameaçando a própria existência de algumas nações. Como não haveria lugar para onde retornar para essas populações, isso provocaria deslocamentos permanentes, bem como questões profundas sobre a condição de Estado e a soberania.   

Esse é o caso da República de Kiribati, um grupo de 33 ilhas do Pacífico com cerca de 100.000 habitantes e um dos estados em desenvolvimento de pequenas ilhas que correm o maior risco de serem engolidos. A FI levantou esse caso usando as Revisões Periódicas Universais do país em 2014 e 2020 para pressionar a comunidade internacional a reconhecer e abordar essa questão.   

Como as consequências das mudanças climáticas estão se tornando mais graves, é necessário abordar as atuais lacunas de proteção e ter instrumentos legais e políticas que reflitam a situação atual. Para isso, é essencial que os tomadores de decisão da ONU ouçam as pessoas mais diretamente afetadas para entender a realidade local.   

A FI se junta ao apelo do Relator Especial para uma ação urgente, especialmente considerando que as consequências do deslocamento induzido pelo clima só piorarão a cada dia que não agirmos. Juntamente com nossos parceiros e irmãos e irmãs franciscanos nas bases, continuaremos defendendo uma abordagem baseada nos direitos humanos em relação ao deslocamento climático que garanta o respeito à dignidade de cada pessoa.   

• • •

Para obter mais informações sobre o trabalho franciscano em mobilidade humana, confira nossa publicação: “Derrubando Muros” e nossas intervenções nas Nações Unidas. 

*”O Corredor Seco inclui partes da Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua. Caracteriza-se por longos períodos de seca alternados com períodos de chuva intensa que afectam seriamente os meios de subsistência e a segurança alimentar dos seus 10 milhões de habitantes.”

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.  

Quando os debates do Conselho dos Direitos Humanos terminaram para o dia nos edifícios das Nações Unidas, franciscanos e parceiros próximos de diversas origens dirigiram-se para o escritório da Franciscans International na noite de verão: era, de facto, altura de fazer uma pausa, unir-se e celebrar a nossa presença e trabalho conjuntos.

O empenhamento dos Franciscanos de base e de alguns dos seus aliados mais próximos está no centro da celebração. Vieram do México, de El Salvador, do Panamá, do Sri Lanka e da Indonésia para partilhar e trazer à tona as preocupações dos migrantes, das pessoas deslocadas e de outras pessoas que sofrem violações dos direitos humanos nas Nações Unidas.

A eles se juntaram o pessoal da FI, os diretores do Escritório OFM de Justiça Paz e Integridade da Criação, que vieram de Roma, e grupos franciscanos da Suíça e da França, num espírito de fraternidade. Uma noite para partir o pão, partilhar histórias e inspirar-se.

Alejandra Conde, da casa de acolhimento para migrantes Franciscana La72, no México, resume tudo: “Foi uma experiência que me fez sentir parte de uma família. O acolhimento, a familiaridade e a partilha entre irmãs e irmãos franciscanos encheram-me espiritualmente e fortaleceram o trabalho que fazemos com a Rede Franciscana para os Migrantes. Porque aumenta o sentimento de que não estamos sozinhos”.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

No Brasil, o governo de Jair Bolsonaro (2019-2022) pressionou por mais mineração, inclusive em terras indígenas protegidas. Essas medidas regressivas aceleraram não apenas o desmatamento, mas também a perda de biodiversidade, a contaminação das fontes de água por mercúrio, a insegurança alimentar e os riscos à saúde das populações locais. Desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o cargo no início do ano, o novo governo brasileiro se comprometeu a retirar os garimpeiros ilegais das terras indígenas e levar assistência médica às populações afetadas, especialmente no território Yanomami

Conheça o Irmão Rodrigo Péret OFM, que vive no estado de Minas Gerais, conhecido como o “depósito” de riquezas minerais no solo. FI discutiu seu trabalho sobre as violações ambientais e de direitos humanos decorrentes da mineração ilegal e como a mudança de administração é uma oportunidade para uma melhor responsabilização da indústria extrativa, mais recentemente por meio do mecanismo de Revisão Periódica Universal (UPR) da ONU

Você poderia se apresentar e explicar seu trabalho, especialmente sobre questões de mineração?

Meu nome é Rodrigo, sou um irmão franciscano que mora na cidade brasileira de Uberlândia e pertenço à Custódia Franciscana do Sagrado Coração. Nasci no estado de Minas Gerais, onde dois grandes desastres de mineração (2015 e 2019) mataram ao todo 291 pessoas, destruíram duas bacias hidrográficas e afetaram milhares de pessoas. Desde então, nenhuma reparação real ou justiça aconteceu. Também trabalho desde a década de 1980 com conflitos de terra e reforma agrária porque muitas pessoas dependem da terra para sobreviver, seja para moradia ou para produzir alimentos. Mais tarde, comecei a abordar questões relacionadas à mineração porque, em Minas Gerais, a extração de rochas fosfáticas, nióbio e elementos de terras raras está causando impactos ambientais significativos. Vale ressaltar que essa área fica no bioma Cerrado, que cobre 25% do Brasil e é um dos ecossistemas mais importantes do mundo. 

O que o inspirou a iniciar esse trabalho? E como isso se relaciona com seu chamado como irmão franciscano?

Minha inspiração vem de Francisco. Quando ele abraçou os leprosos, isso significava que ele abraçava todos os excluídos. Quando me mudei para o estado de Minas Gerais, na região do Triângulo Mineiro, fiquei pensando em quem são os excluídos de nossa sociedade – aqueles a quem tenho de dedicar minha vida como pessoa consagrada. Isso não é algo que faço apenas para trabalhar, é também um modo de vida. Estudei engenharia civil, o que me ajudou a compreender melhor as questões ambientais e de mineração e, assim, servir melhor às pessoas. Entendo minha vida a partir dessa perspectiva, um evangelho que tem uma dimensão social e ambiental. 

Na sua opinião, quais são alguns dos principais desafios que estamos enfrentando hoje?

Acho que o principal desafio é como nos entendermos em um mundo consumista. Hoje em dia, falamos sobre a transição energética para a chamada “energia limpa”. Mas se o lítio e outros elementos – metais e minerais – são necessários para desenvolver essas tecnologias, isso significa aumentar a mineração, o que exercerá mais pressão sobre os territórios, resultando em mais conflitos e destruição. O segundo desafio é como abordar aqueles que estão sofrendo mais com as mudanças climáticas. Como ela não tem o mesmo impacto em todos os lugares e em todos, isso é algo que precisamos abordar. O último desafio é como construir um novo mundo a partir disso, com mais respeito por este planeta, a Mãe Terra, que nos alimenta e governa. 

O que você diria que é sua maior conquista?

É entender que Deus está em toda parte. Mesmo na pobreza extrema, as pessoas têm sua própria dignidade, e a vida existe. Mas quando os direitos fundamentais estão sendo ameaçados, é necessário trabalhar com todas as ferramentas existentes, e é por isso que é importante participar de discussões na ONU e em nível local. É também poder usar esses instrumentos de uma perspectiva diferente, tendo em mente que a construção do que chamamos de Reino de Deus é um processo em que devemos envolver pessoas diferentes. Precisamos nos unir para ter uma voz forte e fazê-la ser ouvida. 

Como o senhor tem usado o mecanismo da Revisão Periódica Universal (RPU)? E você acha que o novo governo terá um impacto sobre esse uso?

O UPR é um processo importante porque revela as obrigações de direitos humanos que os países têm. Escrevemos um relatório sobre as consequências do mandato de Bolsonaro: foi um verdadeiro desastre, especialmente em termos da economia extrativista, da falta de cumprimento das leis ambientais e da destruição da Amazônia. Participamos das pré-sessões em agosto do ano passado, e os países fizeram recomendações ao Brasil em novembro. Agora, nosso objetivo é traduzir essas recomendações para a sociedade civil e abrir caminhos para que as negociações se encaminhem para uma maior responsabilidade das empresas em relação aos direitos humanos. Para isso, precisamos trabalhar tanto em nível local quanto internacional, envolvendo toda a família franciscana no processo. Não será fácil se recuperar dos últimos anos, mas acho que o novo governo de Lula trará uma melhor implementação dessas recomendações. Ainda assim, precisaremos de pressão internacional para pressionar por mudanças importantes nas políticas domésticas. 

Na última década, o Brasil foi listado como o país mais mortal para defensores da terra e do meio ambiente. Você já sentiu esse risco? E o que acha que precisa ser feito em termos de proteção?

Com certeza. Como muitas outras pessoas, tenho enfrentado ameaças regulares relacionadas à minha linha de trabalho e já fui até preso. Agora estou em um programa de proteção. No Brasil, os que correm mais risco são os defensores de direitos humanos que lidam com questões ambientais. Acho que é importante criar uma rede no território de pessoas que protegem umas às outras. Mas também é necessário que o governo federal implemente melhor as políticas relacionadas à proteção dos defensores dos direitos humanos e do meio ambiente. Agora, com a mudança de governo, temos mais caminhos para fazer isso funcionar.

Para mais informações, consulte o nosso artigo principal sobre os franciscanos em Franciscanos na vanguarda dos direitos humanos.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

Este ano, o Dia Mundial do Ambiente centra-se no tema da poluição por plásticos e na necessidade de uma acção acelerada para a combater. Como parte deste esforço, foram iniciadas as negociações das Nações Unidas com vista a um instrumento juridicamente vinculativo sobre a poluição por plásticos. É importante notar que a resolução que estabelece as negociações apelou à inclusão de disposições no instrumento que incentivem “a acção de todas as partes interessadas, incluindo o sector privado”. 

Numa declaração divulgada antes do Dia Mundial do Ambiente, os relatores especiais da ONU para os resíduos tóxicos e para o ambiente sublinham a dimensão do problema: todos os anos, o mundo produz 400 milhões de toneladas de plástico, cuja produção depende quase exclusivamente de combustíveis fósseis. O plástico, o microplástico e as substâncias perigosas que contêm podem ser encontrados nos alimentos que comemos, na água que bebemos e no ar que respiramos. Embora todos sejam afectados pelos impactos negativos do plástico nos direitos humanos, o nível de exposição à poluição e aos resíduos relacionados com o plástico afecta mais as comunidades marginalizadas”.

A Franciscans International sublinha o papel do sector privado na poluição por plásticos e, na verdade, em toda a tripla crise planetária de alterações climáticas, perda de biodiversidade e poluição que o mundo enfrenta actualmente. Temos de enfrentar a realidade de que, embora as operações e actividades das empresas sejam um motor desta crise, tem havido pouca responsabilização. Em vez disso, os nossos parceiros no terreno continuam a chamar a atenção para os impactos adversos que as suas comunidades enfrentam em resultado das actividades empresariais, que vão desde as indústrias extractivas à eliminação de resíduos.

“No mundo globalizado de hoje, tanto as actividades empresariais como a poluição que provocam não conhecem fronteiras. As implicações negativas desta situação para os direitos humanos só podem ser resolvidas através de um esforço colectivo da comunidade internacional”, diz Markus Heinze OFM, Director Executivo da Franciscans International. Não podemos tolerar uma situação em que as comunidades, particularmente no Sul Global, são exploradas em primeiro lugar pelos seus recursos, suportam o peso das alterações climáticas e são frequentemente transformadas em ‘zonas de sacrifício’ para resíduos e poluentes. Mecanismos fortes e juridicamente vinculativos da ONU neste contexto são fundamentais para um mundo justo e habitável”.

Neste sentido, a Franciscans International continua a defender um instrumento juridicamente vinculativo da ONU para regular as empresas transnacionais ao abrigo do direito internacional dos direitos humanos. Embora as resoluções da Assembleia Geral da ONU e do Conselho de Direitos Humanos que reconhecem o direito a um ambiente limpo, saudável e sustentável recordem os Princípios Orientadores da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, é evidente que os Estados devem ir além dos princípios e compromissos não vinculativos. Em vez disso, os Estados têm de cumprir as suas obrigações em matéria de direitos humanos, impedir violações e a degradação ambiental por parte de entidades empresariais, incluindo extraterritorialmente por parte de empresas “domiciliadas no seu território e/ou jurisdição”,1 e assegurar uma reparação adequada.

Além disso, conforme observado pelo Comité das Nações Unidas para os Direitos Económicos, Sociais e Culturais, os Estados violam as suas obrigações quando “dão prioridade aos interesses das entidades empresariais em detrimento dos direitos do Pacto sem justificação adequada […].” A Franciscans International chama a atenção para a presença de entidades (e interesses) empresariais na ONU, incluindo em fóruns relacionados com o ambiente, como parte do chamado “multi-stakeholderismo.”2 As empresas só podem ser “parte da solução”, como sublinham os funcionários da ONU, quando existe uma regulamentação adequada e quando são responsabilizadas pelas violações dos direitos humanos e pela degradação ambiental causada pelas suas actividades.

Neste Dia Mundial do Ambiente, a Franciscans International sublinha a gravidade da tripla crise planetária e a urgência de garantir que os resultados das empresas não continuem a ter prioridade sobre as pessoas e o planeta.

  1. CESCR, Comentário Geral no. 24, Para.26
  2. Ver, por exemplo: COP27: Sharp rise in fossil fuel industry delegates at climate summit, BBC, 10 de Novembro de 2022; Corporate Capture of the United Nations, ESCR-Net, 11 de Fevereiro de 2021.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.

O Conselho de Administração Internacional (IBD) da Franciscans International reuniu-se em Assis, Itália, de 11 a 14 de Maio de 2023. Depois de deliberações significativas, oração e discernimento, a 13 de Maio o IBD nomeou Blair Matheson TSSF, para ser o novo Director Executivo da FI. Ele substituirá o Irmão Markus Heinze OFM em 1 de janeiro de 2024.

Blair é um franciscano anglicano da Terceira Ordem da Nova Zelândia. Ele e o Ir. Markus trabalharão juntos durante o período de transição, de agora até o final do ano civil em curso. O Conselho reconhece as enormes contribuições de Fr. Markus, que, nos últimos onze anos, guiou o FI através de mudanças significativas em direção à estabilidade organizacional e financeira.

Os membros do IBD esperam trabalhar com Blair e com a dedicada equipa de funcionários da FI, à medida que continuamos a defender a dignidade humana, a cuidar da criação e a promover a paz, defendendo os direitos humanos e levantando estas preocupações nas Nações Unidas e na comunidade internacional.

Foto da esquerda para a direita: Markus Heinze OFM; Blair Matheson TSSF; Michael Perry OFM; Carlos Trovarelli OFMConv (ligação da Conferência da Família Franciscana); Charity Nkandu SFMA; Carolyn Townes OFS; James Donegan OFMCap; José Eduardo Jazo TOR; e Joseph Blay OFMConv.

Esta é uma tradução automática. Pedimos desculpa por quaisquer erros que possam ter ocorrido como resultado. Em caso de divergência, é a versão inglesa que faz fé.